quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Projecto de portaria da medida de Estímulo 2013


O Governo prepara-se para reforçar os apoios financeiros à contratação, nomeadamente no caso de contratos a tempo parcial e permanentes.

O projecto de portaria da medida "Estímulo 2013", alarga o incentivo à contratação de "inactivos" e aumenta o limite máximo do apoio, que financia parte dos salários.

O público-alvo desta medida, que até agora se limitava aos desempregados inscritos há pelo menos seis meses nos centros de emprego, é alargado. Passam a ser elegíveis os "inactivos" - estudantes ou pessoas que tenham deixado de estudar no último ano, e que não tenham feito descontos nesse período - bem como alguns desempregados inscritos há três meses que tenham baixas qualificações.

O apoio financeiro será de 50% do salário, percentagem que sobe para 60% do salário no caso de desempregados com baixo perfil de empregabilidade, ou no caso de ser feito um contrato sem termo. Neste último caso, o valor máximo do apoio sobe para 545 euros por mês (contra os anteriores 419,22 euros) e pode durar dezoito meses (em vez dos anteriores seis). Os contratos a tempo parcial passarão a ter um incentivo proporcional.

As empresas que transfiram contratados a prazo para os quadros de pessoal terão direito a um prémio equivalente a nove meses de apoio. O número máximo de trabalhadores apoiados sobe de 20 para 25 pessoas por empresa, mas os empregadores terão que manter o nível de emprego e dar formação.

Até Agosto, a medida "Estímulo 2012" financiou mais de cinco mil postos de trabalho, sobretudo a prazo. No terceiro trimestre havia 871 mil desempregados, num aumento homólogo de 26%.

Investir no Currículo



Hoje em dia, quem quer entrar no mercado de trabalho tem de se distinguir da pilha de currículos que estão em cima da mesa dos potenciais empregadores.
Se está desempregado, saiba como tornar o seu currículo mais funcional e apelativo, atraindo a atenção de quem o lê para o que é mais importante e que reflita o seu potencial enquanto futuro trabalhador em determinada empresa. Se tem trabalho, este artigo serve de lembrete para atualizar o seu CV.
"Pisque o olho à empresa"
Pode ter feito muita coisa na vida, mas deve destacar só o mais importante que possa marcar pontos na sua candidatura. Mostre o lado profissional mas também o lado pessoal mais relevante que desperte curiosidade, para que o empregador fique com vontade de o conhecer. Por isso, deve destacar os pontos fortes do seu percurso em perfeita consonância com a função que pretende - e deve - desempenhar na empresa. Sem mentir, claro.
Há currículos do tipo cronológico, inverso (que começa pelos dados mais recentes e evidencia as últimas experiências que são, normalmente, as que mais interessam ao potencial empregador) e funcional, que distribui a informação por temas e permite ter um conhecimento rápido da formação e da experiência do candidato num determinado âmbito. É um bom instrumento de marketing, uma vez que com ele pode selecionar os pontos positivos e omitir alguns dados menos positivos, como o tempo em que esteve no desemprego.
O que importa é escolher o que mais se adequa ao seu perfil e ao perfil da empresa onde quer trabalhar. O seu CV funciona como um cartão de visita, pelo que deve ser constantemente atualizado. Invista tempo nele, porque valerá a pena.
Trace metas: onde quer estar daqui a cinco anos?
É importante ter um currículo à altura dos desafios e, dado que estamos num mundo cada vez mais globalizado, tê-lo sempre traduzido em inglês.
Por isso, é muito importante parar para pensar antes de o elaborar ou de o atualizar. Trace metas: onde quer estar daqui a cinco anos? Isso ajudá-lo-á a selecionar para onde enviar o seu CV.
Mais vale ser seletivo naquilo que procura, porque pode perder tempo a ir a entrevistas de trabalhos que não quer (e ainda por cima não ser chamado para entrevista), o que pode desmotivá-lo.
Só que, antes disso, deve ter bem presente as funções que gostaria de desempenhar e o tipo de empresa em que se encaixa porque, desse modo, pode apresentar um currículo direcionado.
Direcionado e personalizado. Entre o standard do CV europeu e o seu currículo, escolha o seu.
Seja criativo. Surpreenda!
Pode também fazer um vídeo, por exemplo. Ou mesmo que opte pelo tradicional papel, seja original no formato, desde que tenha a ver com a empresa ou com a função.
Quando estiver a elaborá-lo, não generalize só para poder enviar o mesmo currículo para todas as empresas. Isso não funciona. Tem de especificar o que pretende, onde se encaixa, que vaga quer preencher e porquê.
Há coisas a que não pode fugir: o CV deve ter os seus dados pessoais, habilitações académicas, experiência profissional e formação complementar relevante, mas também outras competências que digam respeito, por exemplo, a línguas, informática, workshops que tenham a ver com a área que está a tentar candidatar-se. As empresas também privilegiam, cada vez mais, quem desempenhe outras atividades, como desporto ou voluntariado.
Para além do currículo propriamente dito, uma carta de apresentação ou um parágrafo introdutório na página onde se inicia o próprio CV são importantes para, de forma resumida, destacar que você é a melhor escolha para o cargo em causa. «Venda o seu peixe» em quatro linhas, destacando ou experiências anteriores, ou habilitações, ou competências de liderança, trabalho em equipa... Enfim, o que for mais importante para a vaga que não quer deixar escapar.

In Agência Financeira

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Escola de Hotelaria e Turismo tem Novos Cursos

A Escola de Hotelaria e Turismo abriu as candidaturas para Novos Cursos, a iniciar a 28 de Fevereiro de 2013.

O Turismo é um dos sectores mais sólidos da economia Portuguesa e o principal motor da atividade económica do Algarve. As Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve proporcionam uma formação de qualidade e uma preparação profissional de excelência.
 



quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Empresários vão ter subsídio de desemprego


Os sócios e gerentes de empresas e os empresários em nome individual vão passar a ter direito a receber subsídio de desemprego em caso de perda de rendimentos por encerramento ou cessação da atividade da empresa de forma involuntária. O Governo aprovou em Conselho de Ministros o regime jurídico da proteção social de desemprego para os trabalhadores independentes e empresários em nome individual. "Esta proteção é especialmente importante numa altura em que o nosso tecido económico se encontra com grandes dificuldades", afirmou o ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares.
Antes da sua aprovação, o Governo enviou aos parceiros sociais uma proposta de decreto-lei que vai permitir a atribuição de subsídio de desemprego aos trabalhadores independentes com atividade empresarial e aos sócios gerentes de empresas.Na proposta enviada aos parceiros, o Ministério da Solidariedade e da Segurança Social estipula que, para terem acesso a este apoio social, os potenciais beneficiários necessitam de ter dois anos de descontos.
Quem pode beneficiar:
Este novo regime jurídico de proteção social em caso de desemprego destina-se a trabalhadores independentes com atividade empresarial, nomeadamente os empresários em nome individual com rendimentos decorrentes de atividade comercial ou industrial e os titulares de estabelecimentos individuais.
Estão ainda abrangidos os sócios ou gerentes de empresas e os cônjuges dos trabalhadores independentes que com eles trabalhem, exercendo "efetiva atividade profissional com caráter de regularidade e permanência".

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Conferência - "Os desafios do novo quadro de relações laborais em Portugal"



Quinta-feira. - 15:00 até 17:30.
.
Local: AHETA - Quinta da Bolota, Lote 4 A, Vale Santa Maria, Apartado 2360, 8201-918 Albufeira


OBJETIVOS
Abordar, de forma transversal e pragmática, as novas alterações produzidas na esfera laboral e social do nosso mercado de trabalho.

DESTINATÀRIOS
Empresários, gestores, diretores, e outros profissionais do setor do turismo.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Emprego e Formação para Jovens


Ao abrigo das medidas propostas pela UE, os desempregados com menos de 25 anos deverão beneficiar de ofertas de emprego ou de mais educação e formação.
Cerca de sete milhões e meio de jovens entre os 15 e os 24 anos não têm emprego nem frequentam o ensino ou uma formação. Num clima de crise económica, é muito mais difícil encontrar emprego. Mais de um em cada cinco jovens não têm trabalho. Na Grécia e em Espanha, esta situação afeta mais de metade dos jovens.
Para os ajudar, a Comissão propõe um pacote de medidas , que inclui uma recomendação aos países da UE para porem em prática um programa de garantia de emprego e formação para os menores de 25 anos.
Ao abrigo desses programas, os países da UE assegurariam que todos os jovens receberiam uma oferta de emprego ou uma proposta para continuar a sua educação ou fazer uma aprendizagem ou um estágio no prazo de 4 meses após acabarem a sua educação formal ou ficarem sem emprego.
A Comissão apoiaria os programas nacionais disponibilizando fundos da UE e criando redes que permitiriam trocar ideias sobre as melhores formas de conseguir que os jovens encontrem um emprego, uma formação ou um estágio.
A Finlândia e a Áustria já dispõem de programas semelhantes. Estes programas custariam ao erário público cerca de 21 mil milhões de euros, um custo bastante inferior ao de deixar os jovens sem ocupação.
Para além das dificuldades sentidas pelos jovens e respetivas famílias, o custo do desemprego jovem para a economia europeia equivale a 1,2 % do PIB da UE ou a 150 mil milhões de euros por ano (calculados com base nas prestações pagas e nas perdas em imposto sobre o rendimento e outras receitas).
Ajuda urgente
É importante ajudar já em vez de ficar à espera que a economia recupere. Quanto mais tempo os jovens se mantiverem desempregados e sem experiência de trabalho, maior é o risco de ficarem fora do mercado de trabalho quando a economia retomar.
Em toda a Europa, cerca de 30 % dos jovens sem emprego já trabalhou durante pelo menos 12 meses, o equivalente a 1 600 000 jovens em 2011, comparado com 900 000 jovens em 2008.
O pacote de medidas - http://ec.europa.eu/social/main.jsp?catId=1006&langId=pt - surge em resposta a um pedido dos dirigentes da UE e do Parlamento Europeu, no seguimento de medidas já em vigor para ajudar os jovens a regressarem à escola, a inscreverem-se numa formação profissional ou a adquirirem uma primeira experiência de trabalho.
Mais sobre os programas de emprego jovem da UE:http://ec.europa.eu/social/main.jsp?catId=1036&langId=pt


quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Ações de Formação


As seguintes Ações de Formação têm vagas por preencher. Os interessados deverão fazer a inscrição com a maior brevidade possivel.

Curso Técnico/a de Cozinha/Pastelaria em Paderne. Requisitos: ter entre o 9º e 12º ano incompleto com máximo de 25 anos de idade.

Curso Técnico/a de Apoio à Gestão em Albufeira.
Requisitos: ter entre o 9º e 12º ano incompleto com máximo de 25 anos de idade.

Inscrições: gip@aheta.pt - 289580530

Workshop Hortas de Varanda


Como incentivo à inscrição no workshop, HORTAS DE VARANDA, a Explicoteca está a oferecer 25 vales de desconto para oWorkshop, no valor de 5€.
Relembramos que este será realizada nas instalações do Explicoteca, em Loulé, com data prevista para 4 de janeiro de 2013 em horário pós laboral. O workshop tem a duração de 14h, de sessões teóricas e práticas, com os seguintes conteúdos:
- Noções Gerais de Agricultura Biológica;
- Instalação da Horta;
- Compostagem; Sementeiras e Plantações;
- Protecção das culturas. Pragas e doenças.
Para mais informações contactar formacao@explicoteca.com ou 965881850.
As inscrições são limitadas.